quarta-feira, 26 de junho de 2013

Broken


Já perdi as contas de quantas vezes, de maneira desinteressada saí por aí dando o meu coração. A cada momento passado com seu novo dono ele voltava mais machucado e sangrando e eu pacientemente o curava dispensando-lhe o melhor dos cuidados. Mas não conseguia aprender a lição, novamente me via ali na rua com um enorme cartaz em torno do pescoço com letras garrafais: Acolha esse coração! E acolhiam, só não cuidavam. Como planta que a gente compra na floricultura por achar bonita e ao se esquecer de colocar água todos os dias ela vai murchando até o dia de virar apenas galhos secos sem vida. O meu está sem vida.
Acho que é melhor assinar num papel e declarar aos meus familiares e amigos que doarei meus órgãos. Só assim terei certeza que ele mesmo machucado terá serventia em um corpo de alguém que o cuidará melhor do que eu e a quem ando o dando.

Júlia Siqueira

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Como não amar?


Como não amar esse seu jeito de me querer perto e se fazer presente mesmo que estejamos tão longe fisicamente? Mas estar perto não é físico, me recordo dessa frase em uma foto de um amigo meu e vejo o quanto você faz parte de minha rotina, de minhas horas e de meus dias. E aí percebo que deve haver alguma magia escondida entre essa nossa separação, algum fator que não seja apenas a distância que nos impele a permanecer assim, longe, sem nos misturar. Talvez seja medo do universo de que juntos possamos fazer algum estrago, ou ser uma fusão de coisas que se transforme em um novo elemento químico na tabela periódica e que possa a desarrumar. Como não amar essa tamanha desorganização que me organiza? 

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Brincar de viver




Dosagens homeopáticas de felicidade e riachos de seriedade e tristeza são demais pra qualquer ser humano. Por isso aprendi a brincar com a vida uma vez que ela insiste em fazer das suas com a gente. Quando há alguma página desse grande livro escrito em tom melodramático, tento arrancar algo de engraçado ainda que o tom seja de total humor negro. Rir sempre é o melhor remédio, ainda que essa frase seja tão clichê. Rir das suas próprias desgraças faz o coração parecer leve e a vida menos doída de ser vivida. Porque tudo parece tão difícil? – perguntava-me alguém há alguns dias atrás. Se tudo fosse tão fácil não lutaríamos e estaríamos no céu e não na Terra. – respondi.
Enquanto nada se facilita ou pelo menos se descomplica, é melhor continuar a se brincar de viver.

sábado, 15 de junho de 2013

Ordem e progresso?



Se antes achava que as manifestações deveriam ser pacíficas e ordeiras, pois dessa forma seriam melhor creditadas hoje não sei se tenho a mesma opinião. Os últimos acontecimentos tem mostrado um novo tipo de cidadão, o compromissado, o que quer honrar o que há escrito na bandeira e que não é cumprido por anos. Do outro lado, mostra governantes e uma classe de militares que confundem os mesmo dizeres de nosso símbolo "ordem e progresso" com truculência e crueldade. Antes das manifestações contra o preço do bilhete único dos ônibus, houve uma manifestação de estudantes de medicina da FTC de Salvador, hiper pacífica e que foi dispersa alegando-se "perturbação da ordem pública" (os estudantes fecharam uma via de acesso próximo a faculdade por barreira humana e protestavam o pagamento dos salários dos professores e melhorias no curso) com balas de borracha e gás de efeito moral. E eu me questiono, onde fica a moral do país? Nos mensalões e nas casas de luxo compradas com dinheiro público? Onde fica a perturbação da ordem? No congresso que aprova leis descabidas e esdrúxulas que satisfazem apenas aos egos inflados de uma parcela ignorante que ocupa aquelas cadeiras? E onde está o progresso? Na melhoria dos ônibus com o aumento dos bilhetes? Não! O progresso do Brasil irá na bagagem dos estrangeiros que vierem assistir a nossa Copa.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

E eu que odiava astrologia...


Eu odiava astrologia, até o dia em que as casas astrológicas fizeram uma dança nos céus e os signos de ar e de terra se encontraram num casamento perfeito, como chuva quando encontra a terra e exala aquele cheiro característico de manhã no interior. E desse dia em diante, olho para o céu à procura de respostas, contemplo constelações que não sei o nome e passo a acreditar que Deus deve usar as estrelas pra escrever os nossos destinos. Assim como na vida nada é igual, o céu à noite sempre nos proporciona um espetáculo diferente. Mudou-se a conjunção da Lua, a disposição dos astros, as linhas no mapa astral são apagadas.
Eu odiava astrologia... até os nossos signos, nossas almas, nossos corpos se encontrarem numa sincronia perfeita e perceber que o aquário fica bonito com o reflexo do leão em suas águas.

Eu gosto de gente!


Gosto de gente. Gente mesmo e não aquele tipo no diminutivo. Gosto de quem olha no olho e dessa forma percorre tua alma para encontrar o mesmo sentimento que você sente no momento. Gente que ri contigo de ficar vermelho e ter lágrimas nos olhos. Gente que ajuda sem pedir nada em troca, que torce por sua felicidade, gente que chora com você nos momentos que precisa e te tira da fossa nos outras tantas vezes. Gosto tanto de gente. Gente! A mesma palavra no diminutivo ando dispensando...

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Sobre portas e trancas


Não exista porta trancada que não possa ser aberta, seja por mãos habilidosas de um gatuno que o faz de maneira silenciosa, seja pela ignorância de um troglodita que com um só chute coloca a porta abaixo, de qualquer maneira a porta se abrirá facilmente, por mais trincos e escoras que ela tenha. 

terça-feira, 4 de junho de 2013

Vergonha




Hoje acordei com muita vergonha. Não, não foi por ter dançando de maneira estranha numa festa e ter feito as maiores loucuras em público, quem dera fosse simples assim. Isso só foi excesso de alegria e não tem que se envergonhar de ser louco algumas vezes. Minha vergonha vem de outras coisas. Vergonha de morar em um país que investe em coisas banais, mas deixam suas crianças a mercê de uma saúde e educação capengas. Vergonha de ver tanta gente corrupta viver impune. Vergonha de existir ainda pessoas que perdem suas vidas cuidando da vida dos outros, e não vivem as suas, reclamam, vegetam.
Que merda a humanidade fez com a Criação? Nesses momentos queria que o movimento de rotação fosse bem rápido e varresse pra um cosmo anos-luz daqui essa gente que nada contribui para evoluirmos e sim estagnarmos.  

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Reaja!



E você acha que sua vida vai melhorar afundado no sofá vendo a programação de domingo da Globo, comendo feito um javali e engordando tanto quanto ele? O máximo que vai conseguir é aumentar a sua depressão aparente. E você acha que os problemas serão todos resolvidos enquanto você bola estratégias e brigas fictícias no chuveiro, que nunca sairão do banheiro? Ou melhor, que as situações que vive ficarão mais confortáveis se escondendo em casa embaixo das grossas cobertas e do pijama medonho enquanto o sol lá fora arde nas folhas das árvores? Por favor reaja! Não dá pra viver (ou fingir que se vive) sem um mínimo de dor, sofrimento, raiva, frustração.
Ah, mas você quer uma vida perfeita? Onde todos te amam, todos são complacentes com as suas agruras, todos estão dispostos a ajudar? Esse mundo não existe, e se um dia existiu se esvaiu em alguma hecatombe. O mundo real é injusto, mas há pitadas de coisas boas. Coisas boas que não vai encontrar na televisão e nem na cama, muito pior na comida gordurosa que anda comendo nos dias em que está triste.

Reaja! Encare isso, e se achar que não vai conseguir, é só achismo idiota mesmo, a gente sempre consegue suportar e quando morre (não sei a experiência de morrer) a gente ainda vai (ou deve ir) com a sensação de dever cumprido.

Sofrer


Há uma música de Bethânia em que diz que todo grande amor só é bem grande se for triste. Forte isso, mas começo a acreditar que seja verdade, não que todo amor tenha que ser sofrido, entretanto, todo grande amor (ou o que julgamos ser grandes amores) sempre tem uma dosagem excessiva de sofrimento. Alguns dirão que somos masoquistas, e estarão certos. Temos um prazer inenarrável em sofrer, mesmo que não admitamos. Sofrer porque se ama algo ou alguém que está além do nosso alcance, sofrer por um amor platônico, abdicar de uma vida pela do outro, frustrar-se e entregar-se ao sofrimento.

 Só uma coisa que acho que a música não conseguiu contemplar, que é a nossa capacidade de reagir ao sofrimento. Saímos dele de cabeça erguida, uma, duas, duzentas vezes, tantas vezes assim porque voltamos ao ponto inicial, o sofrer.

Procura-se amigos



A própria Bíblia diz que você reconhece os amigos no tempo da adversidade, quando se precisa mais de carinho, quando as lágrimas insistem em rolar sem motivo aparente, aí nesse momento um deles aparecerá na sua porta com uma caixa de chocolates pra vocês verem o capítulo da novela juntos e engordando, chorarão com você mesmo sem saber o motivo das suas lágrimas. Exclua isso nas pessoas com que anda e terás meros desconhecidos fazendo parte de sua vida, pessoas que não lembrará nos próximos anos e que serão facilmente substituídas, como lâmpada queimada que quando trocada por uma nova é totalmente dispensável.
Procure pessoas que iluminem seus dias com um sorriso, que te liguem de madrugada só pra te contar uma besteira qualquer, que saibam guardar os seus segredos e te apoiam sem julgar os seus erros porque entende que cada um peca diferente do outro e no final somos todos errantes tentando acertar uma vez só que seja. Procure amigos. Procure parceiros. Procure irmãos.