sexta-feira, 27 de abril de 2012

Uma vida de amores


E quando o namoro chega ao fim você acha que vai morrer, mas consegue acordar no outro dia. Pensa que vai se esvair em lágrimas, mas essas param com o tempo. Acha que nunca mais terá outro amor, até que um dia um novo olhar encontra o seu, o interesse surge e as promessas outrora feitas são esquecidas. Ai você se dá conta que não tem um amor da sua vida e sim uma vida de muitos amores.

Toda espera...


Posso te esperar, mas não demora. Você não acha que vou viver no tédio assistindo comédia romântica no sofá da sala comendo brigadeiro de colher, acha? O filme cansa e o brigadeiro enjoa. E eu? Eu não morri ainda.

 (Júlia Siqueira)

domingo, 22 de abril de 2012

Vendetta

- Quero vingança!
- De que?
- Amor não-correspondido!
- Se fosse me vingar disso, mataria a humanidade!

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Passagens


O carro passa veloz pela estrada. As árvores são deixadas pra trás, a paisagem muda, as pessoas são diferentes, mas nós somos os mesmos. As situações algumas vezes se invertem, mas nós continuamos no carro. Parados, mesmo em velocidade, mudando, de maneira sutil, quase que imperceptível aos nossos companheiros de viagem.

Guardei


Coloquei de volta na gaveta as declarações de amor escritas, são suas e não quero que outra pessoa que não seja você as tenha. Junto delas guardei aquela foto que tiramos em nossa última viagem, quem sabe um dia ela volte ao porta-retratos do lado da minha cama, mas por enquanto estará bem no fundo escuro da gaveta da cômoda, ali quietinha entre o amor que não posso mais expor e o carinho que tem que estar subentendido nas minhas frases. “Guardei sem ter por que, nem por razão ou coisa outra qualquer...”, diz a música, eu, porém, guardei na esperança de resgatar um dia.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Ponto e reticência


O amor tudo crê e eu acredito que um dia desses ainda iremos nos encontrar numa esquina dessas da vida, soltos ao acaso, como peças de um tabuleiro de xadrez manipulado pelas mãos habilidosas do Criador.
Sei também que o amor suporta, sabe perdoar cada erro, cada “eu te amo” não dito e cada carinho não ofertado. Aguenta as distâncias, as barreiras, as dificuldades. E o mesmo amor espera, visualizando lá na frente, num futuro que pode ser daqui a 2, 5 ou 20 anos ou que dure algumas vidas futuras, que os nossos corações possam se reencontrar sem medos e sem culpas, torcendo para que o ponto final de agora seja apenas uma reticência abreviada.

A tatuagem e o curativo


 A tatuagem voltou a sangrar como se tivesse sido retocada. Saudade, diz ela, lembra? O leite que derramou aquela vez já não lembro mais do cheiro, mas essa marca que levo no peito não tem como esquecer porque a vejo sempre que me defronto com o espelho. Mas e agora como estanco esse sangue? Uma caixa de curativos apenas não será o bastante, preciso de uma farmácia inteira, ou será que preciso só de você? Não sei. Só sei que a saudade me consome como a madeira é tragada pelo forno a lenha, e a tatuagem, esta não para de doer. Sete letras doloridas e ensanguentadas.

sábado, 7 de abril de 2012

Utopia


O sol nascerá amanhã
O amor brotará nos corações
A paz será uma eterna constante
Tudo será uma festa

Olhos atentos, risos fartos.
Abraços apertados,
desses que não se cabe em si
Amigos vindo
e a esperança no futuro sorrindo.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Sentimentos conflitantes


- Estou sendo enganada!
- Por quem?
- Por mim mesma!
- Como assim?
- Queria não me importar com ele, mas fico igual a uma idiota dando chances pra ele me fazer de boba. Queria largar ele, esquecer que um dia cruzou minha vida, quando na verdade algo aqui dentro de mim diz assim “vai, dá nova chance!” “agora vai ser diferente” e mais outras coisas que eu nem sei de onde saem. Razão e emoção dizendo coisas totalmente distintas.
- Sei como é!
- Sabe?
- Sei!
- Como assim?
- Eu te amo, mas estou aqui a te aconselhar. Queria te beijar neste exato momento e assim tentar minimizar o que sente, por outro lado se isso fizer quem sairá magoado serei eu. Por isso, esperarei pacientemente o dia em que teremos uma conversa não sobre outra pessoa, mas sobre nós dois.
(silêncio)

Sobre sorrisos e lágrimas


 Ainda que o sorriso permeie minha face, tenho dores encravadas no peito. 
Há de chegar dia o em que todos nós teremos lágrimas nos olhos e sorrisos no coração. 
Vi isso refletido no rosto dos irmãos que travam lutas como se a utopia fosse um lar. 
Viver não é só um presente, é um futuro também, e a vida, de tão grande e divina, tem a humildade de caber dentro de uma formiga com a mesma elegância que cabe dentro de uma humanidade inteira.
Ninguém deve existir pra ser humilhado, e ainda que custe a vida, sonhar com as mãos é dever de quem não se humilha ante as dificuldades. 
O mundo pelo qual sonhamos é uma semente que precisa ser regada com amor, respeito e igualdade, afinal, o planeta não se chama Terra por acaso.

Sérgio Vaz